slider

Destaques

4 de fevereiro de 2017

Passeio a Gruta Maquiné em Cordisburgo, a terra de Guimarães Rosa.



Saímos de BH e pegamos 120 km de estrada até chegar na pequena Cordisburgo, que além de ser a cidade onde está a primeira Gruta encontrada e estudada na região é também a terra onde nasceu Guimarães Rosa, autor do livro "Grande Sertão Veredas" e tantos outros...



Fizemos o passeio com a Master Receptivo (empresa que opera os mais variados roteiros de Minas) Foram aproximadamente 2h de viagem, no caminho paramos em uma lanchonete para ir ao toalete e esticar os esqueletos, rs.

Assim que chegamos na pacata cidadezinha fomos direto para o complexo Maquiné, onde está a Gruta e o Museu, por onde começamos a visita. No acervo imagens com a história e replicas de fósseis dos animais pré históricos encontrados por Peter Lund, dinamarquês que se interessou em explorar e pesquisar a Gruta do Maquiné.
 (os fósseis da Preguiça é um marco, pois foi o primeiro encontrado)...









Partimos para visitar o interior da Gruta (ingressos R$20,00, estudante e idosos pagam meia).





Prometo que não vou ficar aqui contando milhares de histórias, mas algumas curiosidades são bem legais e vale a pena dividir com vocês, como por exemplo o fato de que a gruta foi encontrada em 1985 pelo fazendeiro Joaquim Maria Maquiné, o "Seu Maquiné" por isso o nome "Gruta do Maquiné", mas mesmo estando em suas terras ele nunca se interessou muito por ela, só alguns anos depois a gruta foi estudada e explorada por Lund e é considerada o berço da paleontologia brasileira.

De cara pensamos: deve ser um lugar apertado, abafado...que nada! Essa gruta é enorme, tem mais 600 metros de extensão com 7 salões os quais visitamos com um guia local, explicando tudo de uma forma bem descontraída e animada!







Vimos as formações esculpidas pela água em milhares de anos, as que se formam no teto são chamadas de estalactites e as que se formam no chão são as estalagmites, quando as duas se encontram formam as colunas. (viajando e aprendendo...tem coisa melhor?) Achamos muito lindo, são iluminadas, coloridas...A mais famosa das formações é a "Veu da Noiva" considerada o cartão postal da gruta.




Veu da Noiva: Considerado o cartão postal da Gruta Maquiné

Um dos sete salões é o "das piscinas", mas hoje em dia por conta do impacto ambiental infelizmente não tem mais tanta água, apenas pequenos laguinhos, inclusive um na saída (ou entrada) da gruta batizado como "fonte dos desejos" Bora jogar as moedas e desejar muita coisa boa!! (a cada 3 meses as moedas são doadas ao asilo público da cidade).





Conhecemos também a suposta cama do Lund, diz a lenda que o pesquisador passava dias e dias dentro da gruta pesquisando e procurando os fósseis, então era ali que ele dormia, o guia que nos acompanha disse que não acredita nessa tese, pra ele na época esse lugar estaria coberto de água...(em todo caso, testei e não aprovei! Prefiro o conforto dos hotéis mesmo, kkkk)



No caminho o guia instigou nossa imaginação com as formações em forma de bichos e até de um pãozinho francês. Não é que parece mesmo, rs !!



E essa gruta é famosa minha gente! Nela foram gravadas cenas da novela A viagem e também onde o comendador (interpretado pelo ator Alexandre Nero) encontrou o diamante rosa, na novela Império (mostrada como se fosse no Monte Roraima, só que não!)





Descemos a 18 metros de profundidade, mas foi super tranquilo, tinham senhoras e crianças fazendo o passeio conosco e não encontraram nenhuma dificuldade. Ahhh e só pra constar, os moradores locais (morcegos) estavam todos dormindo, se o guia não falasse nem perceberíamos que eles estavam por lá. (Ainda bem!!)
A visita no interior da gruta durou 1hora, Foi uma experiência e tanto, adoramos! Tem que ir!!



De lá fomos direto para o Restaurante Chero's (alí mesmo, praticamente ao lado da Gruta) referência na região por ser o pioneiro em Maquiné e pelo sabor caseiro da típica comida mineira...

O carro chefe da casa é o feijão tropeiro (mega caprichado, o melhor que comemos em toda nossa viagem por minas) e pra acompanhar opções como frango ao molho pardo, ensopado ou frito, além de carne de boi, arroz e salada (este menu com direito a doce de leite de sobremesa R$28,00-pagamento só em dinheiro, não aceita cartões de crédito ou débito) muuuuito bem servido, comida farta e saborosa! Não foi à toa que ganhou a indicação do Guia Quatro Rodas e o doce de leite caseiro foi destaque nos programas Globo Rural e Terra de Minas (merecidamente! Leia o post completo do Restaurante) Nossa experiência no Chero's só reforçou o nosso sentimento de que AS COISAS SIMPLES SÃO SEMPRE AS MELHORES! Super Tem que ir!!





Depois do almoço um tempinho para os artesanatos...



Seguimos para visitar a Casa onde viveu Guimarães Rosa até os seus 9 anos de idade (entrada R$3,00) em frente a estação ferroviária de Cordisburgo (hoje só funciona para trens de carga). Reparem que esse ferrinho na porta era para passar o pé e tirar o barro dos sapatos antes de entrar na casa (o meu estava limpo, mas por via das dúvidas...)





Um dos principais itens do acervo é o próprio casarão, além das obras e objetos pessoais do escritor: o quarto dos pais, da avó, fotos de infância, a cozinha, o armazém dos pais que ficava na frente e vendiam um pouquinho de tudo...

A visita foi guiada por uma jovem voluntária do grupo de contadores de história Miguilim, no final sentamos no jardim (aos fundos da casa) para escutar trechos das obras de Guimarães Rosa narrados por ela. Foi muito legal, Tem que ir!!















Ainda na cidade visitamos uma casa no Formato de Elefante, que chama a atenção de qualquer um e já virou atração turítica (dá para entrar e subir até a sacadinha nas costas do elefante)....



O Portal Grande Sertão, com esculturas de Leo Santana que ilustram o livro "Grande Sertão Veredas", inclusive uma delas é Guimarães Rosa, a poucos passos dali conhecemos a linda Capelinha de São José (a primeira a ser construída na cidade).





E assim, depois desse dia lindo e cheias de histórias pra contar retornamos a BH. #Temqueir


“E, mais do que tudo, a Gruta do Maquiné, tão inesperadamente grande, com seus sete salões encobertos, diversos, seus enfeites de tantas cores e tantos formatos de sonho, rebrilhando de risos de luz. Ali dentro a gente se esquecia numa admiração esquisita, mais forte que o juízo de cada um, com mais glória resplandecente do que uma festa, do que uma igreja.”
(João Guimarães Rosa)

Informações: 

Passeio a Gruta do Maquiné
www.masterreceptivo.com.br
Contato: (31) 3274-9628/98727-8787 
reserva@masterreceptivo.com.br

*Baseado na nossa experiência. Preços, horários e informações referem-se a data da nossa viagem, portanto podem ser alterados ao longo do Tempo.




0 comentários:

Postar um comentário

Posts Populares

 
Tem que ir ©| Desenvolvido por Onze Web.