slider

Destaques

27 de janeiro de 2017

Um dia em Sabará e Congonhas, cidades históricas com as mais belas obras do famoso Aleijadinho

Santuário de Congonhas: Basílica do Senhor Bom Jesus de Matosinhos
Saímos de BH para conhecer duas cidades históricas muito importantes de Mina Gerais, que fazem parte do chamado "circuito do ouro", a rota desbravada pelos bandeirantes, às margens do Rio das Velhas....

Fomos a bordo da Master Receptivo (empresa com os mais variados roteiros de Minas). A primeira que visitamos foi Sabará, cidade histórica mais próxima da capital mineira, apenas 25km, uma das mais produtivas na época do ouro.

Visitamos essa Igrejinha linda de Nossa Senhora do Ó, olhando assim parece simples, modesta, mas fique sabendo que ela é conhecida como a Joia da arte colonial! Considerada uma das mais ricas representações do Barroco Mineiro (R$2,00 a taxa de visitação - como na maioria das igrejas). Ao redor dela as casinhas coloridas completam o charme do lugar...




Seguimos para a Igreja Nossa Senhora do Carmo, com obras marcantes de Aleijadinho, é tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico Artístico Nacional.



De lá fizemos uma caminhada (tranquila) pelas principais ruas da cidade como a Rua Borba Gato, que faz parte da "Rota de Pedestre", marcada por casarões centenários e ruas de pedras. É onde fica a Casa Borba Gato, diz a lenda que este importante Bandeirante morou nela, maaaas não há nenhum fato histórico que confirme isso (de qualquer forma essa construção do sec XVIII vale a foto!rs) hoje, funciona como um núcleo administrativo do Museu do Ouro.




Casa Borba Gato

Esse Casarão Rosa é outra construção que chama a atenção, linda (enquanto a Ka fotografava aproveitei para prosear um pouquinho com esse sabarense, senhorzinho simpático que estava ali esperando o banco abrir do outro lado da rua,rs).


Chegamos na Praça Melo Viana, onde está a Igreja Nossa Senhora do Rosário. Inacabada! Sua construção foi iniciada por escravos, que queriam uma igreja só para eles ( já que não era permitido frequentar a igreja dos brancos e ricos, mas com a abolição não foi concluída. É considerada um dos cartões postais da cidade. Atrás das ruínas fica uma capelinha de Taipa com um acervo da arte sacra (mas no momento estava fechada para visitação).







Tivemos tempo para visitar, ali mesmo na praça, uma lojinha de artesanato, que funciona em forma de cooperativa dos artesões da região, cada dia um deles expões o seu trabalho (no geral rendas, lembrancinhas, doces e licores de jabuticaba - bem típica na região - tem até o Festival da Jabuticaba que movimenta a cidade todos os anos).


Já no Microônibus passamos em frente a outros lugares da cidade como a Praça Getúlio Vargas (conhecida como Praça da Matriz), a Igreja de São Francisco, a Igreja de Nossa Senhora da Conceição, a antiga Casa da Câmara e Cadeia entre outros. Apenas não conseguimos conhecer o Teatro Casa da Opera ( fechado para restauro) o 2° teatro mais antigo do Brasil (atrás apenas do Teatro de Ouro Preto) e o Chafariz Kaquende, já que a Rua São Pedro estava fechada para Obras (fica pra próxima!).







No geral achamos Sabará um charme e mesmo sendo a cidade histórica mais próxima da capital é daquela com cara beeem de interior!!

De Sabará partimos para Congonhas, um pouco mais de 1h de estrada, mas antes aquela parada delícia as margens da BR040 para o almoço no Restaurante Estância Real, referência no quesito qualidade e estrutura é considerado o melhor da região.

O Lugar é enorme!! Vários ambientes com mesinhas, sofás, cafeteria e até um empório com produtos regionais. O buffet é no estilo self service a Kg (R$49,90) com muuuuita variedade de saladas, massas, carnes, peixes, grelhados, bolinho de bacalhau e claro a comida típica mineira que não pode faltar: feijão tropeiro, tutu, angu, etc. Além de doces que faz qualquer um sair da dieta. Ainda com cachaça e cafezim cortesia, bão dimais!!rs (Veja o post completo do Restaurante).





Chegando a Congonhas fomos direto ao principal atrativo turístico da cidade o Santuário de Congonhas, onde está a Basílica do Bom Jesus do Matosinhos, Patrimônio mundial declarada pela Unesco, é a "Obra Prima" do Aleijadinho - com 12 profetas esculpidos em pedra sabão.



No Santuário também estão seis capelinhas, que olhando dentro delas pela janelinha narram a "Paixão de Cristo", com obras de Aleijadinho em algumas delas.







Ainda visitamos a sala dos milagres e a imagem do Bom Jesus! Um lugar de muita paz, fé...



Praticamente ao lado do Santuário tivemos oportunidade de conhecer o Museu de Congonhas (entrada R$10,00, mas todas as quartas a visita é gratuita).





O acervo retrata através de imagens, vídeos, maquetes e exposições toda história da construção e interpretação do Santuário do Bom Jesus de Matosinhos (depois de visitar o museu vimos o Santuário com outros olhos, bem mais atentos!! Foi muito legal,vale a pena conhecer).





Tem também uma sala que retrata a destruição de Mariana, aquela tragédia envolvendo uma mineradora que literalmente afundou Bento Rodrigues (triste lembrança no meio de um passeio tão feliz, mas é um fato).



Ao redor alguns becos com várias lojinhas de artesanato.



Confesso que não esperávamos muito desse roteiro, achávamos que seria um passeio bem mais ou menos, ainda bem que estávamos completamente erradas. Adoramos tudo que vivemos e aprendemos nesse dia! Tem que ir!!!



Informações

Passeio a Sabará e Congonhas
www.masterreceptivo.com.br
Contato: (31) 3274-9628/98727-8787 
reserva@masterreceptivo.com.br


*Baseado na nossa experiência. Preços, horários e informações referem-se a data da nossa viagem, portanto podem ser alterados ao longo do Tempo.



0 comentários:

Postar um comentário

Posts Populares

 
Tem que ir ©| Desenvolvido por Onze Web.